Música Celtica

Exercícios Terapêuticos

Exercícios Terapêuticos
O universo está em constante movimento. O movimento significa vida. O movimento de uma espiral de energia vitaliza a célula única que marca o início de nosso tipo de vida humana. À medida que esse tipo de vida evolui, nós nos constituímos em um ser que constantemente troca energia com o cosmo. À medida que esta energia passa através de nós, ela nos alimenta, nos nutri e cria o movimento interno e externo de nossas vidas. Na expressão natural deste intercâmbio encontramos nossa saúde. O intercâmbio de energia é aumentado pelo movimento, e o movimento perfeito do corpo é uma extensão do interior para o exterior enquanto recebe estímulos que movem do exterior para o interior. (Greg Broòshy)

Translate

29.3.13

Hematologia


Leucopenia
Uma das situações mais comuns no dia-a-dia do hematologista em seu consultório ou ambulatório é o paciente que chega com um hemograma, geralmente solicitado por outro médico por razões as mais diversas, e que mostra uma diminuição da contagem dos glóbulos brancos que recebe o nome técnico de leucopenia (leuco = branco; penia = diminuição). Na grande maioria das vezes os pacientes não referem qualquer sintoma que se possa correlacionar com o achado no exame, mas, devido ao desconhecimento total ou parcial por parte dos outros médicos sobre o assunto, geralmente o paciente é encaminhado ao hematologista "com urgência", já que os exames apontam para uma "diminuição das defesas do organismo". Com esse diagnóstico parcial nas mãos, os pacientes acabam por solicitar marcações urgentes de consulta, costumam chegar ao consultório extremamente ansiosos e apavorados em função do que lhe foi dito por quem o encaminhou.

Na quase totalidade dos casos, no entanto, não há fundamento para a preocupação e para o apavoramento já que esses quadros são geralmente benignos, não causando qualquer tipo de repercussão no paciente.

Existem várias possibilidades para explicar a leucopenia. A mais comum é chamada de Leucopenia Crônica Benigna, uma condição em que os granulócitos - um dos vários tipos de leucócitos - vivem menos do que o habitual por razões não totalmente compreendidas até o momento. A baixa de leucócitos costuma ser um achado no hemograma que geralmente é solicitado por outra razão (exames de rotina, pré-operatório, etc), tem uma tendência a permanecer por anos a fio ou por toda a vida, sem que o paciente tenha qualquer consequência dessa alteração. Os pacientes devem ser assegurados que não possuem uma doença que mereça tratamento.

A segunda causa mais comum, principalmente no nosso meio, é a Leucopenia Crônica Étnica, comum em indivíduos da raça negra e em alguns judeus do Yemen e do Sudão. Indivíduos da raça negra de outros países como África do Sul e outros também apresentam uma grande prevalência do achado. Tal como no primeiro caso, trata-se de uma situação benigna, sem necessidade de tratamento, e os pacientes podem levar suas vidas normalmente.

Em terceiro lugar temos as leucopenias associadas ao uso de medicamentos. A lista de medicamentos que podem causar leucopenia é enorme e esse efeito colateral pode se dar basicamente de duas maneiras: no primeiro caso, existe uma lesão na medula óssea, na fábrica do sangue, levando a uma diminuição da produção dos granulócitos; no segundo, a produção pela medula óssea é normal, mas ocorre uma destruição dos glóbulos no sangue.
A diferença em relação aos dois primeiros casos é que conseguimos identificar na história do paciente o uso de medicamentos que podem causar o problema. Mas nem sempre é fácil saber qual medicamento causa a leucopenia, já que muitos pacientes, principalmente os mais idosos, fazem uso de várias medicações ao mesmo tempo (remédios para pressão, diabetes, etc), que muitas vezes foram iniciados juntos e, portanto, fica impossível saber qual deles é o causador do problema.
Nesses casos só devemos suspender as medicações se houver alguma repercussão clínica da leucopenia. Como isso na maioria das vezes não ocorre, o mais prudente é acompanhar o paciente a cada 2-3 meses inicialmente, mantendo todas as drogas, até termos certeza que o paciente se mantém assintomático. Somente no caso de uma leucopenia muito intensa, associada ao apareciemento de infecções importantes e frequentes é que estaremos diante de um caso que merecerá a suspensão e/ou troca da(s) medicação(ões).

Um quarto tipo de leucopenia ocorre associado a outras doenças propriamente ditas, como doenças auto-imunes, doenças inflamatórias crônicas, tumores, mas, nesses casos, os pacientes geralmente apresentam outros sinais e sintomas associados que apontam para a doença de base que deverá ser tratada fazendo com que a leucopenia também desapareça.

Portanto, se você receber um comunicado de um médico que você apresenta leucopenia, que suas defesas estão baixas e que você tem que sair correndo atrás de um hematologista, respire fundo e vá com calma. Não se apavore. Você tem mais de 90% de chance de não ter nada de grave, principalmente se você não sente absolutamente nada em relação a esse achado. Se você NÃO tem infecções, geralmente bacterianas, graves, que necessitam de internação para tratamento adequado, você é um provável portador de um quadro de leucopenia crônica benigna que não necessita de qualquer tratamento.
Um abraço e até a próxima postagem

Posted 1st December 2009 by Fernando Monteiro Correia Pinto
Labels: Leucopenia
 

22.3.13

Benefícios da Pimenta

São vários os mitos em torno do consumo da pimenta. Durante muito tempo se acreditou que o fruto picante fazia mal àsaúde. Há quem diga que o alimento agrave as hemorroidas, eleve a pressão sanguínea e ataque o estômago. Mas será que essas informações são verdadeiras?
Pimenta
Adicionar legenda
A fama de vilã da pimenta não condiz com os benefícios que ela pode trazer para a nossa saúde. Estudos recentes revelam que ela é rica em vitaminas, sais minerais e substâncias antioxidantes. Por isso, a pimenta é considerada como um alimento funcional, capaz de prevenir doenças e melhorar o funcionamento do organismo como um todo.
Tudo sobre a pimenta

Propriedades Medicinais da Pimenta

A pimenta é fonte de vitamina A, C e E, além de potássio e zinco. Além disso, ela contém substâncias antioxidantes, que aumentam as defesas do organismo e retardam o envelhecimento natural das células. Em cerca de 28g de pimenta, encontramos toda a quantidade diária de vitamina C necessária para o nosso corpo. O betacaroteno, presente principalmente na pimenta vermelha, facilita a absorção da vitamina A e é capaz de reduzir os radicais livres. O licopeno também tem função antioxidante e previne o aparecimento de doenças cardiovasculares.
Veja algumas das propriedades terapêuticas da pimenta:
  • É cicatrizante;
  • Dificulta a formação de coágulos no sangue;
  • Auxilia no controle do colesterol;
  • Previne a arteriosclerose;
  • Combate a depressão;
  • Atua como anti-inflamatório;
  • Ajuda no tratamento da enxaqueca;
  • Reduz os níveis de açúcar no sangue;
  • É vasodilatadora;
  • Estimula o metabolismo e favorece o emagrecimento.

O Segredo Está na Quantidade

Como diz o velho ditado, a diferença entre o remédio e o veneno está nas quantidades. O consumo excessivo de pimenta pode sim agravar a hemorroidas ou agredir as paredes do estômago. No entanto, a ingestão moderada do fruto pode aliviar as úlceras e combater os problemas circulatórios. Quase todos os tipos de pimenta podem trazer benefícios para saúde, mas vale sempre a medida da moderação.
Fonte: BONTEMPO, Márcio. Pimenta e seus benefícios à saúde.

16.3.13

Dieta do Dr. Barcellos contra o câncer e (todas as alergias).


Raul Barcellos, falecido em março de 2003 com quase 90 anos, foi um médico carioca que passou metade da vida demonstrando clinicamente que os sintomas do câncer podem ser revertidos através de dieta, eliminação dos vermes, desintoxicação e recuperação da qualidade do sangue.
Um resumo do que ele explica: o câncer pode ser causado por uma série de fatores, genéticos ou adquiridos. Os genéticos se deveriam a um problema qualquer nos genes, unidades hereditárias situadas no cromossomo que determinam as características do indivíduo e que estão sendo estudadas agora. Os fatores adquiridos podem vir através da radiação (de todos os tipos, inclusive solar), da poluição química do ar, da água e do solo, dos campos eletromagnéticos à nossa volta, do stress que provoca excesso de oxidação no organismo, da comida, da bebida, das drogas - mas, principalmente, das lesões causadas pelos vermes que vivem muito tempo dentro do hospedeiro.
Existem basicamente quatro tipos de câncer: carcinomas, sarcomas, linfomas e leucemia. Carcinomas surgem na pele, nas membranas mucosas, nas glândulas e na maioria dos órgãos. Sarcomas surgem nos ossos, músculos e tecidos conectivos. Linfomas são a forma de câncer do sistema linfático. Leucemia é o câncer do sangue.
Dentro desses quatro tipos há mais de cem variedades de câncer. Mas todo câncer começa pequenininho. Uma turminha de células anormais escapa de ser vista e comida pelo sistema imunológico, e como células adoram se multiplicar, elas crescem formando um tecido anormal. Falta a elas a intervenção do sistema imunológico, e falta também uma parte do código genético que diz ao tecido quando ele deve parar de crescer.
Cada célula carrega dentro de si o código genético apropriado dentro de uma molécula minúscula chamada DNA, ou ácido desoxirribonucléico. Faz parte de sua natureza coletar nutrientes na corrente sangüínea de acordo com seu DNA, e entre esses nutrientes estão os aminoácidos que se agrupam em combinações diferentes para formar proteínas.
Todas as proteínas derivam de alguma combinação de aminoácidos. Sua principal função (mas não a única) é formar tecidos. Osso é tecido, sangue é tecido, cabelo é tecido, assim como pele, membrana mucosa, unha, músculo, tendão, nervo. A proteína forma a trama e os outros nutrientes a preenchem. O sangue vai passando com a matéria-prima e as células de cada tipo de tecido - inclusive do sangue e da linfa - vão recolhendo aquilo de que precisam para sua renovação, ao mesmo tempo que jogam de volta à corrente sangüínea aminoácidos e outras substâncias que estiverem sobrando, numa espécie de respiração celular.
No caso do câncer, segundo o Dr. Barcellos, as células prejudicadas recolhem do sangue os aminoácidos errados. Por isso, só tem um jeito: impedir esses aminoácidos de estarem lá, através de uma dieta muito especializada. Começa aí a regressão do tumor. Ao mesmo tempo, a degeneração do tecido canceroso aumenta a descarga de resíduos tóxicos no sangue. Daí a importância que o Dr. Barcellos dá à desintoxicação.
Veja os alimentos cujas proteínas ele afirma que fazem crescer tumores:
leite e derivados
carnes de porco,
lagosta, camarão
feijão de qualquer tipo, ervilha, lentilha,
grão-de-bico, vagem,
feijão-verde, soja e seus subprodutos, broto de feijão
batata-inglesa, batata-doce, batata-baroa (mandioquinha), cará, inhame, aipim/mandioca
(e farinha de mandioca)
aveia, abacate, castanha portuguesa
vitamina C sintética
Para desintoxicar
Três cápsulas diárias de 200 mg de metionina, que se encontra em farmácias de manipulação, para tomar com as refeições.
Metionina e cisteína são aminoácidos que contêm enxofre, e enxofre é desintoxicante do fígado e dos rins. Tiamina e biotina, que são vitaminas, também têm enxofre. Metionina se encontra em ovo de galinha, leite humano e de vaca*, carne de boi; enxofre em couve, couve-de-bruxelas, brócolis, repolho, espinafre, nabo, couve-flor com as folhas, todos cozidos e em porções generosas, e no agrião cru; biotina em fígado de galinha, fígado de boi, gema de ovo, e tiamina (vitamina B1) em pinhões, farinha de trigo-sarraceno integral, farinha de trigo integral, farinha de soja*, quínoa, kefir, levedo de cerveja, sementes de girassol, milho verde, germe de trigo.
A absorção de biotina e tiamina é impedida ou reduzida na presença de álcool, avidina (proteína da clara crua do ovo), cafeína, sulfa, oxidação.
* = alimentos proibidos na dieta do Dr. Barcellos.
caldo de alga kombu é muito valorizado por seu alto teor desintoxicante, nutritivo, regulador da flora intestinal, bom contra hipertensão arterial. Para obter o melhor sabor não se deve ferver a alga, já que o calor faz com que os polissacarídeos se desmanchem e liberem substâncias desagradáveis ao paladar; basta deixar a alga de molho em água limpa, fria, durante duas horas, para obter um extrato contendo quantidades importantes de manitol, iodo, cálcio, magnésio e ácido sulfúrico. A alga é então retirada e usada em refogados rápidos, ou simplesmente cortada e temperada com shoyu, ou serve para enrolar bolinhos, ou volta para a própria sopa, etc. O caldo, puro ou complementado com macarrão e vegetais previamente cozidos, deve ser aquecido somente até o ponto anterior à fervura.
Misso (massa salgada de soja, gostosa e nutritiva) é o tempero tradicional desse caldo; como é proibido na dieta do dr. Barcellos, use um pouquinho de sal.
O suco de aloe vera (um tipo de babosa) também é grande desintoxicante dos intestinos, do fígado e dos rins.
Sobre os vermes
A gente acha que só crianças e animais têm, o que é uma ilusão perigosa. Vermes entram no organismo o tempo todo através de mãos, água, beijos e alimentos contaminados. Se tiverem permissão para ficar, vão se reproduzindo, avançam pelas correntes sanguínea e linfática e alojam-se em centros vitais como coração, fígado, vesícula biliar, pâncreas, baço, olhos e cérebro, bem como no resto todo do corpo.
Podem produzir constipação, diarréia, gases, flatulência, síndrome do cólon irritável, dores musculares e articulares, problemas de pele, distúrbios do sono, fadiga crônica e quadros graves de convulsões, vertigens, cefaléias, pseudo-meningites, anemia profunda, gastrite crônica, gripes, resfriados, sinusites, alergias e disfunções imunológicas em geral.
Muitas doenças podem ser diagnosticadas equivocadamente quando o médico não conhece a sintomatologia das parasitoses.O Dr. Barcellos ressalta a capacidade dos vermes em provocar lesões e deficiência nos vários tecidos do organismo, oferecendo ambiente propício à formação das neoplasias malignas.
Vermes destróem células mais rápido do que elas conseguem se regenerar; liberam toxinas que danificam os tecidos e as células, produzindo dores e inflamações; com o tempo deprimem e exaurem o sistema imunológico.
O Dr. Barcellos destaca os helmintos cestóides (tênias soliumsaginata e nana), as lombrigas(ascaris lumbricoides), o oxiúro vermicular e a triquina.
Uma cientista canadense, a Dra. Hulda Clark, afirma que 100% dos pacientes de câncer têm vermes, sobretudo um helminto trematódeo chamado fascíola (fasciolopsis buskii) que se aloja no fígado. Seu trabalho está em <www.drclark.com>.
Outras informações no Almanaque de Bichos que dão em Gente.

livros de sonia hirsch |

10.3.13



Faça este exercício da cultura chinesa simples e eficaz... e verá.

A essência é que seus olhos devem estar fechados quando você pratica "Jin Ji Du Li" ... preste atenção.

Eis o exercício:

Fique sobre uma só perna, com os seus olhos abertos. É só isso.
Experimente agora fechar os olhos. 

Se você não for capaz de ficar em pé por pelo menos 10 segundos seguidos, isso significa que seu corpo se degenerou ao nível de 60 a 70 anos de idade.

Em outras palavras, você pode ter apenas 40 anos de idade, mas seu corpo envelheceu muito mais rápido.

Ficar sobre um pé com os olhos abertos, é uma coisa e  fazer o mesmo com os olhos fechados ... a história é outra!

Não precisa levantar muito a perna. Se os seus órgãos internos estão fora de sincronia, mesmo levantando a perna um pouco vai fazer você perder o seu equilíbrio.

Os chineses estão bem avançados no conhecimento do corpo humano.

A prática frequente e regular do "Jin Ji Du Li", pode ajudar a restaurar o sentido de equilíbrio.

Na verdade, os especialistas chineses sugerem que a prática diária por 1 minuto, ajuda a prevenir a demência.

Primeiramente, você pode tentar fechar os dois olhos, não completamente. Na verdade, é isso que o especialista de saúde Zhong Li Ba Ren recomenda.

A prática diária de Jin Ji Du Li, pode ajudar na cura de muitas doenças, tais como:

Hipertensão;
Altos níveis de açúcar no sangue ou diabetes;
O pescoço e doenças da coluna vertebral;
também pode impedi-lo de sofrer de demência senil.

Zhong Li Ba Ren escreveu um livro intitulado: "A auto-ajuda é melhor do que procurar ajuda dos médicos", um best-seller que também foi o melhor livro de saúde à venda na China desde que foi publicado pela primeira vez no ano passado. 
Seu sucesso pode ser medido pelo fato que rendeu mais de 1 milhão de cópias vendidas.

Diz-se que de acordo com o entendimento de médicos chineses, a doença pode aparecer no corpo devido a problemas surgidos na coordenação entre os vários órgãos internos, o que faz com que o corpo perca o seu equilíbrio. 

Jin Ji Du Li pode zerar esta inter-relação dos órgãos e como eles funcionam juntos.
Zhong Li Ba Ren disse que a maioria das pessoas não consegue ficar sobre um pé com os olhos fechados por 5 segundos, mas depois, praticando todos os dias, são capazes 
de fazer por mais de 2 minutos.

Quando você conseguir ficar mais tempo, a sensação de peso desaparece. Ao praticar Jin Ji Du Li, você vai notar que sua qualidade do sono fica melhor, a mente limpa e melhora a memória significativamente.

A coisa mais importante é que se for praticado Jin Ji Du Li com os olhos fechados por 1 minuto todo dia, você não irá sofrer de demência senil (o que significa que o cérebro continuará saudável).

Zhong Li Ba Ren explicou que há seis meridianos principais que passam por entre as pernas. Quando você ficar em uma perna, você sente dor devido ao exercício e, quando isso ocorre, os órgãos correspondentes a esses meridianos e suas formas começam a receber os ajustes necessários. Este método é capaz de se concentrar a consciência e canalizar o corpo até os pés.

Os efeitos benéficos da prática de Jin Ji Du Li em várias doenças como:

A hipertensão, diabetes, pescoço e coluna vertebral, começarão a ser sentido rapidamente.

Problemas como a gota também poderá ser prevenido.

Cura doenças básicas como "Pés Frios" e também pode reforçar a imunidade do corpo.

Você não precisa esperar até que você tenha uma doença para começar a praticar Jin Ji Du Li.

É adequado para quase qualquer tipo de pessoa e especialmente benéfico em pessoas jovens, se praticadas diariamente, a probabilidade de adquirir problemas naturais da idade, será menor.

Não recomendado para pessoas cujas pernas são fracas e não podem ficar por longos períodos em pé.




7.3.13

"80% Começam pela maconha" diz psicólogo que atende viciados, no AM


01/08/2012 19h39 - Atualizado em 01/08/2012 

Fazenda Esperança é um dos locais que acolhe dependentes químicos.
Pesquisa revelou que 1,5 milhão de brasileiros fumam maconha diariamente.

Tiago MeloDo G1 AM
5 comentários
De acordo com estudo da Unifesp, 8 milhões de brasileiros disseram já ter experimentado a droga alguma vez na vida. (Foto: David McNew/Getty Images/AFP)De acordo com estudo da Unifesp, 8 milhões de brasileiros disseram já ter experimentado a droga alguma vez na vida (Foto: David McNew/Getty Images/AFP)
Um estudo realizado por pesquisadores da Universidade Federal de São Paulo (Unifesp) aponta que cerca de 1,5 milhão de brasileiros consomem maconha diariamente no Brasil. NoAmazonas, não há números exatos sobre o problema, mas as instiutições que cuidam de dependentes vivem cheias. Só em 2011, cerca de 1.100 pessoas pessoas passaram pelo Serviço de Atendimento Psicossocial às Famílias (Sapif) voltado para problemas envolvendo o consumo de drogas.
A pesquisa da Unifesp, publicada nesta quarta-feira (1) pelo Levantamento Nacional de Álcool e Drogas (Lenad), indica também que oito milhões de pessoas no Brasil já experimentaram a droga pelo menos uma vez na vida, e cerca de dois milhões a consomem diariamente.

Tida como a substância ilícita mais consumida no mundo, a maconha também é considerada, segundo psicólogos, o meio de acesso aos entorpecentes mais pesados, como cocaína, crack, heroína, entre outros. De acordo com informações da Secretaria de Assistência Social e Cidadania do Amazonas (Seas), mais de 1.100 pessoas passaram pelo Serviço de Atendimento Psicossocial às Famílias (Sapif) no ano de 2011, que atende em média 15 com quadro de dependência química por dia na capital amazonense.
Com investimento de R$ 1,6 milhão ao ano, o serviço oferece aos dependentes atendimentos clínicos, ambulatoriais e, dependendo da situação, internações em uma das unidades conveniadas, como a Fazenda da Esperança, o Desafio Jovem, o Serviço Missionário do Amazonas (Recanto da Paz e Sítio Feminino de Apoio Ester), o Núcleo de Tratamento Ambulatorial e Atenção às Famílias (NAF Brasil), o Instituto Novo Mundo e a Sociedade Beneficente Cristã do Amazonas.

Localizada no Km 14 da BR-174, a Fazenda da Esperança, dirigida por religiosos, abriga em média cem jovens do sexo masculino. “Infelizmente sempre estamos com a casa cheia”, afirmou o psicólogo da instituição, Péricles de Miranda Ribeiro. Ainda segundo ele, cerca de 80% dos jovens internados na Fazenda da Esperança iniciaram no mundo das drogas através da maconha.

De acordo com a pesquisa publicada pelo Lenad, mais de 60% dos usuários de maconha experimentaram a droga pela primeira vez antes do 18 anos. Desses 62%, cerca de 35% dos usuários usaram pela primeira vez aos 16 anos. “A grande maioria dos usuários internados aqui são jovens na faixa dos 18 aos 25 anos. No caso dos mais velhos, a partir dos 35 anos, o problema se torna o álcool”, completou Péricles.

Além dos serviços de internação e ambulatorial, o Sapif promove encontros trimestrais com as famílias e mesa redonda com as entidades conveniadas. Já o Projeto Ame a Vida, que funciona nos Distritos Integrados de Polícia (DIPs), também realiza reuniões com as famílias nos bairros e promove rodadas de discussões sobre o combate e prevenção às drogas. O projeto Ame a Vida foi criado em 2008 e até hoje já atendeu mais de 600 mil pessoas em Manaus.
Ainda de acordo com o estudo da Unifesp, 75% dos entrevistados (cerca de 111 milhões de pessoas) é contra a legalização da maconha no país; 11% (cerca de 16,3 milhões) é a favor da legalização; enquanto 14% (cerca de 20,9 milhões) não tem uma opinião formada sobre a questão.
tópicos:

1.3.13


A pressa é inimiga da digestão

Acerte os ponteiros da sua digestão 
A pressa é culpada pelo mal funcionamento da digestão. E há outros maus hábitos que precisam ser corrigidos
por Thaís Szegö | design Robson Quinafélix | fotos Dercílio



Ao primeiro toque do despertador você pula da cama, se arruma e sai de casa correndo. Desfrutar de um belo desjejum nem passa pela cabeça. No almoço a ansiedade acelera as garfadas e encurta o tempo de mastigação. À tarde não há aquela paradinha para um lanche. E à noite, graças ao cansaço e à fome, a vontade é de atacar depressa tudo o que estiver à mesa ou na geladeira.
Os especialistas afirmam que esse cenário, em que não há espaço para refeições balanceadas e tranqüilas, está por trás do aumento das queixas de problemas digestivos e até da obesidade. Os experts não se cansaram de bater nessa tecla em dois grandes eventos científicos recentes a Semana de Doenças Digestivas, que juntou médicos do mundo inteiro em Washington, nos Estados Unidos, e o 34° Curso de Atualização em Cirurgia do Aparelho Digestivo e Coloproctologia, o Gastrão, que aconteceu na capital paulista no mês passado.
O corre-corre faz mal em dois sentidos. Além de atrapalhar as refeições em si, indica nervosismo e agitação, emoções que atrapalham, sim, a digestão. Ela é regulada por uma rede de células nervosas interligadas com o cérebro, inclusive com aquelas áreas que têm a ver com os sentimentos, descreve o gastrenterologista Ivan Cecconello, do Hospital das Clínicas de São Paulo, que foi o presidente do Gastrão deste ano. Prova disso é que situações estressantes muitas vezes causam diarréia, diz.
A boa notícia, alardeada pelos médicos daqui e de lá, é que pequenas alterações no dia-a-dia podem fazer maravilhas e contribuir no tratamento dos males mais comuns. Os remédios ajudam, mas, se não houver mudança de hábitos, o risco de os sintomas voltarem é grande, enfatiza o gastrenterologista Orlando Ambrogini Júnior, da Universidade Federal de São Paulo, a Unifesp.
estilo de vida dizem em uníssono influi diretamente no processo de absorção dos nutrientes. E, quando ele acontece direito, não é só a barriga que sai mais leve. Até o coração pode ser beneficiado. Está provado, por exemplo, que a má digestão favorece problemas com o colesterol, entre outros. Por isso, vale a pena prestar mais atenção nas reações do seu corpo depois de uma boa refeição.




Fonte:Revista Saúde
           saude.abril.com.br