Música Celtica

Exercícios Terapêuticos

Exercícios Terapêuticos
O universo está em constante movimento. O movimento significa vida. O movimento de uma espiral de energia vitaliza a célula única que marca o início de nosso tipo de vida humana. À medida que esse tipo de vida evolui, nós nos constituímos em um ser que constantemente troca energia com o cosmo. À medida que esta energia passa através de nós, ela nos alimenta, nos nutri e cria o movimento interno e externo de nossas vidas. Na expressão natural deste intercâmbio encontramos nossa saúde. O intercâmbio de energia é aumentado pelo movimento, e o movimento perfeito do corpo é uma extensão do interior para o exterior enquanto recebe estímulos que movem do exterior para o interior. (Greg Broòshy)

Translate

26.12.12








INTRODUÇÃO :
Saber onde se deve puncionar ou moxar constitui o resultado de um exame clínico, isto é, de um diagnóstico. Diagnosticar
onde reside o desequilíbrio de energia é ao mesmo tempo precisar o lugar onde se devem aplicar as agulhas ou fazer as
moxas.
O exame do paciente tem por objetivo descobrir e existência de desequilíbrio da energia , o que pode ser feito de várias
maneiras ,segundo normas ocidentais e orientais.
Dentro da medicina tradicional chinesa (MTC), a forma mais importante de diagnóstico de desequilíbrio energéticos é a
PULSOLOGIA CHINESA , que é feita, desde a antigüidade através da palpação de artérias.
Em outros países a palpação das artérias também é elemento de diagnóstico, mas não tem a importância dada  pela MTC ,que
utiliza esse método para  o exame  acurado do estado energético de todas as  funções orgânicas do corpo humano.
Nesse trabalho serão enfocados os principais aspectos desse método , além de informações adicionais que  são importante
para o entendimento da PULSOLOGIA CHINESA.
O exame do pulso tal como se descreveu ,é uma prática relativamente recente, que se aplica desde há aproximadamente 17
séculos. No livro sagrado da acupuntura, isto é , o Nei China, que procede do século terceiro antes de cristo, o pulso se toma e
se interpreta de maneira diferente da que veremos. O diagnóstico era feito não só por um único segmento de artéria, no caso ,
a radial, mas por um conjunto de segmentos de artérias localizados em diferentes partes do corpo : Os chamados pulsos
reveladores , hoje usados com finalidade complementar de acompanhamento do tratamento.
Quando olhamos alguém sendo submetido a  uma tomada de pulso para diagnóstico surgem  perguntas naturais do tipo :
“como é possível saber o estado geral e particular de órgãos e funções  palpando um segmento de artéria?” , “O que se deve
sentir no pulso do paciente?”, “Existe  diferença de pulsação em tão curto espaço de artéria?”.
Formularam-se várias hipóteses para explicar essas e outras perguntas. Em primeiro lugar devemos reconhecer o pulso  como
uma expressão energética. Com efeito , a cada batida do coração o sangue expulso pelo ventrículo esquerdo choca-se com o
sangue contido na aorta. O que percebemos no pulso não é o deslocamento da massa sangüínea ,mas  o resultado desse
choque  que se manifesta por uma  série de ondas ao longo do sistema  arterial.
Nas artérias , o sangue se desloca , mas o faz com um velocidade muito inferior a da onda pulsátil. Além disso, sendo um
tubo elástico , a artéria configura o fenômeno com aspectos particulares . Temos ,pois , três fatores que decidirão sobre o
aspecto do pulso: 1) a força do impacto contrátil  do coração ; 2) as condições da massa de sangue ( viscosidade ); e 3) o
estado da parede arterial ( elasticidade, contratilidade e resistência periférica) . Esses três fatores se combinam entre si
tornando muito difícil uma discriminação .
Além desses três fatores fundamentais , existe uma onda energética que descreve uma série de períodos compostos de ondas e
nós.
A prática da percepção tátil  dos pulsos nos diz que cada pessoa tem seu pulso próprio ,  tão característico como as suas
impressões digitais.
Apesar de isso não ser sinônimo de demonstração científica de uma relação órgão-pulso .Essa relação ,no entanto ,está
garantida pelos fatos , já que é quase impossível praticar a acupuntura sem o profundo conhecimento da PULSOLOGIA
CHINESA. 2
“AQUELES QUE  DESEJAM CONHECER O EXTERIOR DO CORPO ,
OBSERVAM A MORTE E O NASCIMENTO DO PULSO ...”
A TEORIA DOS 14 PULSOS RADIAIS
Nesse método  utilizamos a palpação de três segmentos da artéria radial  para perceber e diagnosticar
desequilíbrios energéticos, quantitativa e qualitativamente, nos órgãos e funções .
A Localização das posições nos pulsos é feita da seguinte maneira :
MÃO ESQUERDA
PULSO I : Segmento entre a base do polegar e a apófise estilóide ;  em cima do ponto  P9.
NÍVEIS :
SUPERFICIAL - CORRESPONDE AO INTESTINO  DELGADO.
MÉDIO / PROFUNDO - CORAÇÃO.
PULSO II : Segmento que cobre a apófise estilóide ; em cima do ponto P8.
NÍVEIS :
SUPERFICIAL -  VESÍCULA BILIAR.
MÉDIO / PROFUNDO - FÍGADO.
PULSO III : Segmento aquém da apófise estilóide; em cima do ponto P7.
NÍVEIS :
SUPERFICIAL - BEXIGA.
MÉDIO- RINS (FILTRAÇÃO/ QUANTIDADE DE ÁGUA ELIMINADA).
PROFUNDO- RINS ( EXCREÇÃO/CONCENTRAÇÃO DE URINA EM                                                          
PRODUTOS DE ELIMINAÇÃO).
MÃO DIREITA: A localização das posições é idêntica a da mão esquerda
PULSO I :
NÍVEIS :
SUPERFICIAL- INTESTINO GROSSO
MÉDIO / PROFUNDO- PULMÃO
PULSO II :
NÍVEIS :
SUPERFICIAL- ESTÔMAGO
MÉDIO  - PÂNCREAS
PROFUNDO- BAÇO
PULSO III :
NÍVEIS :
SUPERFICIAL - TRIPLO REAQUECEDOR
MÉDIO - CIRCULAÇÃO (LINFÁTICA E SANGÜÍNEA )
PROFUNDO - SEXUALIDADE E REPRODUÇÃO  3
***ACHE OS NÍVEIS !
NÍVEL SUPERFICIAL  é o que se obtém com um pressão mínima
na  artéria , suficiente apenas para sentir sua pulsação. Corresponde à pressão arterial mínima.
NÍVEL PROFUNDO é  obtido pressionando-se a artéria  até interromper o fluxo sangüíneo e em seguida
aliviando-se a pressão até sentir de novo o batimento arterial . É a pressão arterial máxima.
O NÍVEL MÉDIO  é intermediário aos dois citados acima. ***
Inicialmente procura-se o diagnóstico de excesso ou insuficiência geral do Inn ou do Iang comparando-se os
pulsos esquerdos com os direitos, os superficiais com os profundos e os pulsos da posição I com os da
posição III, concluindo-se pelo excesso de Iang quando:
A) os pulsos direitos são mais fortes que os esquerdos;
B) os pulsos superficiais são mais fortes que os profundos;
C) os pulsos I são mais fortes que os da posição III;
havendo excesso de Inn quando acontecer o contrário.
Existem 28 pulsos patológicos cujas principais características no estudo global dos pulsos são:
Regularidade: a) às vezes lento, outras rápido: distúrbios do simpático; b) irregularidade
na força das batidas: insuficiência de Inn.
Amplitude (altura da onda): a) muito amplo: excesso de Iang;
b) pouco amplo: esgotamento.
Intermitência: a) com intermitência, porém rápido: excesso de Iang;
b) intermitente e lento: excesso de Inn;
c) intermitência regular, por exemplo, cada 10 ou 20 batidas: pouca energia.
Consistência:  
a) pulso duro: excesso
b) duro e amplo: tensão nervosa;
c) duro e pequeno: fraqueza e crispação;
d) macio: relaxamento;
e) grande e macio: fraqueza e relaxamento.
Quanto ao estudo de cada pulso individualmente, destaca-se as seguintes peculiaridades:
• Freqüência: rápido (mais de 6 batidas por  respiração) ou lento ( menos de 4,5 batidas por respiração)
• Ritmo: regular ou não
• Força: forte ou fraco (resistência à pressão)
• Consistência: duro ou macio (mole)
• Amplitude: onda alta ou baixa
• Comprimento: grande ou pequeno
• Largura: largo ou estreito (fino), sendo a primeira característica Iang e a segunda Inn. 4
O diagnóstico pelo pulso tem por base a relatividade - comparação - entre as 14 posições. Aconselha-se aos
principiantes, depois de tomada em conjunto dos pulsos (esquerdo-direito - superficiais-profundos - posição
I-posição III), examinar cada posição para determinar qual a função mais fraca e qual a função mais forte,
partindo daí para o diagnóstico das demais.
O pulso deve ser tomado de preferência pela manhã, com o paciente em jejum, sentado de frente para o
médico que tomará os pulsos esquerdos com os dedos da mão direita e os pulsos direitos com os da mão
esquerda.
Os pulsos da posição I - em cima de P9 - são tomados com os dedos indicadores; os pulsos da posição II -
em cima de P8 - com os dedos médios; e os pulsos da posição III - em cima de P7 - com os dedos anulares.
Quanto às anotações na ficha do cliente,  usa-se  as seguintes nomenclatura :  
grande plenitude
• Transbordante
• excesso (plenitude)
• normal
• insuficiente
• fraco
• muito fraco (quase imperceptível)
• imperceptível (ou ausente)
Sendo os três primeiros “pulsos Iang” e os quatro últimos “pulsos Inn”.
SINTOMAS DE EXCESSO E DE INSUFICIÊNCIA GERAL E NOS MERIDIANOS
PRINCIPAIS
A constatação do excesso ou insuficiência geral de Inn ou Iang é a base do diagnóstico pela Acupuntura, não
só porque permite uma primeira aproximação tipológica - tipos Inn e tipos Iang - como também porque nos
orienta para as linhas gerais da terapêutica a seguir:
Segundo G.S. de Morant os sinais principais são:
a) Excesso geral de Iang (energia):
pulsos direitos mais fortes que os esquerdos;
pulsos superficiais mais alongados, amplos e duros que os médios e profundos;
pulsos ns. I amplos e fortes e pulsos ns. III normais;
todos os pulsos adiante de suas posições;
voz sonora, muito timbrada;
olhos brilhantes, muito vivos;
gestos muito rápidos;
palavra excitada;
excesso de alegria, cantos e risos;
agitação, calor externo;
dores nos pontos quando pressionados;
dores locais;
contraturas, convulsões, espasmos. 5
b) Insuficiência geral de Iang:
pulsos direitos mais fracos e moles que os esquerdos;
pulsos superficiais mais fracos que os médios e profundos;
pulsos ns. I fracos e ns. III fortes;
coceira, prurido;
todos os pulsos antes de suas posições;
forma sem firmeza, mole;
voz sem timbre; olhos ternos; gestos lentos;
dificuldade da palavra; tristeza; lágrimas;
intestinos vazios ou com grande inchaço.
c) Insuficiência geral de Inn ( sangue):
pulsos esquerdos menos fortes que os direitos;
pulsos médios e profundos menos fortes, duros e amplos que os superficiais;
pulsos ns. I miúdos e ns. III pouco perceptíveis;
todos os pulsos miúdos, pequenos;
forma magra; rosto azulado, escuro;
fraqueza física;
lassidão, falta de resistência;
tendência ao desmaio.
d) Excesso geral de Inn:
pulsos esquerdos mais fortes e duros que os direitos;
pulsos profundos e médios mais duros que os superficiais;
pulsos ns. I amplos e fortes e ns. III igualmente fortes;
tez vermelha; forma sólida, bem nutrida;
tendência às congestões, às inflamações e aos abcessos;
frio interno; edemas.
Naturalmente que o excesso ou insuficiência geral de energia Inn ou Iang deve ser o resultado do excesso ou
insuficiência de energia ou sangue nas funções, cujos sintomas, ainda segundo G.S. de Morant, são os
seguintes: 6
a) Triplo Reaquecedor - “pai da energia Iang”.
Excesso:
pesaroso, sem alegria, irritável;
deseja dormir, insônia;
dores indefinidas por meteorismo;
respiração curta, não pode falar;
inapetência, muita urina.
Insuficiência:
lassitude moral e física;
tudo é feito com esforço;
tristeza, enfado, os membros não obedecem;
insuficiência urinária; frio.

b)   Circulação - sexualidade - “mãe da energia Inn”
Excesso:
opressão, cóleras;
coração agitado, dores surdas;
respiração rápida quando ri, dor de cabeça congestiva;
mau hálito.
Insuficiência:
depressão moral;
insuficiência do consciente;
fadiga, sem alegria;
enrijecimento da laringe.
c)   Coração (órgão Inn)
Excesso:
riso fácil, soluços;
rosto avermelhado;
agitação do espírito, superexcitação;
dores no coração e no braço.
Insuficiência:
magoado, não ri;
rosto pálido;
depressão, medo, angústia;
falta de ar aos esforços.
d)  Pulmões (órgão Inn) 7
Excesso:
arquejamento, tosse;
dores nos ombros, nas costas e nas costelas;
micção freqüente;
bocejos, espirros.
Insuficiência:
falta de fôlego;
ombros e costas frias;
tez mutável;
não pode dormir;
dores nas axilas.
e)  Fígado (órgão Inn)
Excesso:
descontentamento, cólera;
tez escura, cinzenta ou amarela;
micção difícil, dolorosa;
distúrbios das regras, priapismo;
dores lombares e no aparelho genital.

25.12.12


Fumaça de trânsito reduz fertilidade masculina, diz estudo.

05 de Maio de 2003 (Bibliomed). Pesquisadores italianos encontraram evidência de que a poluição do trânsito reduz a qualidade do esperma de homens jovens e de meia-idade, afetando a fertilidade. O óxido de nitrogênio e o chumbo presentes na fumaça produzida por carros e outros veículos seriam as causas do problema, segundo os pesquisadores. As constatações do estudo sugerem que os homens expostos à fumaça de trânsito todos os dias – por causa do trabalho, por exemplo – são os mais afetados.

A equipe de Michele De Rosa, da Universidade de Nápoles, examinou o esperma de 85 homens empregados em pedágios de estradas, que ficavam expostos à fumaça, em média, por seis horas diárias. Depois, os cientistas compararam os resultados encontrados com os testes de outros 85 homens que viviam na mesma área, mas que não ficavam expostos à fumaça da mesma forma. Os pesquisadores descobriram que os empregados do pedágio tinham um esperma de pior qualidade – seus espermatozóides tinham menos mobilidade, o que resulta em menos capacidade de fertilizar o óvulo feminino. “Em geral, o esperma do grupo estudado era mais fraco e menos ativo, por isso tinha uma capacidade de fertilização menor”, explicou Michele De Rosa.

Os pesquisadores disseram que serão necessários mais estudos para verificar se a qualidade do esperma desses homens melhoraria se eles não fossem mais expostos à fumaça. De Rosa acrescentou ser necessário pesquisar se trabalhadores de outros setores também estão sob risco.
Copyright © 2003 Bibliomed, Inc.


Fonte: Boletim informativo de Boa Saúde

13.12.12


Já estamos no Cinturão de Fótons

 
Muito se fala de 2012, mas pouco efetivamente se conhece. Segue um texto rápido e esclarecedor, para desmistificar um pouco a profecia e trazer uma linguagem simples, ofertando ânimo extra para nossas ações como sincronizadores biosféricos.


O sistema solar gira em torno de Alcione, estrela central da Constelação de Plêiades. Esta foi a conclusão dos astrônomos Freidrich Wilhelm Bessel, Paul Otto Hesse, José Comas Solá e Edmund Halley, depois de estudos e cálculos minuciosos.


Nosso Sol é, portanto, a oitava estrela da constelação – localizada a aproximadamente 28 graus de Touro – e leva 26 mil anos para completar uma órbita ao redor de Alcione, movimento terrestre também conhecido como Precessão dos Equinócios.


A divisão desta órbita por doze resulta em 2.160, tempo de duração de cada era “astrológica” (Era de Peixes, Aquário, etc).


Descobriu-se também que Alcione tem à sua volta um gigantesco anel, ou disco de radiação, em posição transversal ao plano das órbitas de seus sistemas (incluindo o nosso), que foi chamado de Cinturão de Fótons.


Um fóton consiste na decomposição ou divisão do elétron, sendo a mais ínfima partícula de energia eletromagnética, algo que ainda se desconhece na Terra. Detectado pela primeira vez em 1961, através de satélites, a descoberta do cinturão de fótons marca o início de uma expansão de consciência além da terceira dimensão. A ida do homem à Lua nos anos 60 simbolizou esta expansão, já que antes das viagens interplanetárias era impossível perceber o cinturão.


A cada dez mil anos o Sistema Solar penetra por dois mil anos no anel de fótons, ficando mais próximo de Alcione.
A última vez que a Terra passou por ele foi durante a “Era de Leão”, há cerca de doze mil anos.Na Era de Aquário, que está se iniciando, ficaremos outros dois mil anos dentro deste disco de radiação. Todas as moléculas e átomos de nosso planeta passam por uma transformação sob a influência dos fótons, precisando se readaptar a novos parâmetros.


A excitação molecular cria um tipo de luz constante, permanente, que não é quente, uma luz sem temperatura, que não produz sombra ou escuridão. Talvez por isso os hinduístas chamem de “Era da Luz” os tempos que estão por vir.


Desde 1972, o Sistema Solar vem entrando no cinturão de fótons e em 1998 a sua metade já estará dentro dele. A Terra começou a penetrá-lo em 1987 e está gradativamente avançando, até 2.012, quando estará totalmente imersa em sua luz. De acordo com as cosmologias maia e asteca, 2.012 é o final de um ciclo de 104 mil anos, composto de quatro grandes ciclos maias e de quatro grandes eras astecas.


Desde a década de oitenta, quando a Terra começou a entrar no Cinturão de Fótons, estamos nos sintonizando com a quarta dimensão e nos preparando para receber a radiação de Alcione, estrela de quinta dimensão. Zona arquetípica de sentimentos e sonhos, onde é possível o contato com planos mais elevados, a quarta dimensão é emocional e não física. As idéias nela geradas influenciam e detonam os acontecimentos na terceira dimensão, plano da materialização.


Humbatz Men, autor de origem maia, fala em “Los Calendários” sobre a vindoura “Idade Luz”. Bárbara Marciniak, autora de “Mensageiros do Amanhecer”, da Ground e “Earth”, da The Bear and Company e a astróloga Bárbara Hand Clow, que escreveu “A Agenda Pleiadiana”, da editora Madras, receberam várias canalizações de seres pleiadianos.


Essas revelações falam sobre as transformações que estão ocorrendo em nosso planeta e nas preparações tanto físicas quanto psíquicas a que precisamos nos submeter para realizarmos uma mudança dimensional.


Segundo as canalizações, a esfera quadri-dimensional é regida pelas energias planetárias de nosso sistema solar, daí um trânsito de Marte, por exemplo, causar sentimentos de poder e ira. Para realizar esta expansão de consciência é preciso fazer uma limpeza, tanto no corpo físico como no emocional, e transmutar os elementais da segunda dimensão a nós agregados, chamados de miasmas. Responsáveis pelas doenças em nosso organismo, os miasmas são compostos de massas etéricas que carregam memórias genéticas ou de vidas passadas, memórias de doenças que ficaram encruadas e impregnadas devido a antibióticos, poluição, química ou radioatividade.


Esses miasmas estão sendo intensamente ativados pelo Cinturão de Fótons. Os pensamentos negativos e os estados de turbulência, como o da raiva, também geram miasmas, que provocam bloqueios energéticos em nosso organismo. Trabalhar o corpo emocional através de diversos métodos terapêuticos – psicológicos, astrológicos ou corporais – ajuda a liberar as energias bloqueadas. A massagem, acupuntura, homeopatia, Reiki, florais, meditação, yoga, o tai-chi, algumas danças, etc, são também técnicas de grande efetividade, pois mexem com o corpo sutil e abrem os canais de comunicação com outros planos universais.


As conexões interdimensionais são feitas através de ressonância e para sobrevivermos na radiação fotônica temos que nos afinar a um novo campo vibratório. Ter uma alimentação natural isenta de elementos químicos,viver junto à natureza, longe da poluição e da radiatividade, liberar as emoções bloqueadas e reprimidas, contribuem para a transição.


Ter boas intenções é essencial, assim como estar em estado de alerta, para perceber as sincronicidades e captar os sinais vindos de outras esferas. Segundo a Agenda Pleiadiana, de Bárbara Hand Clow, o Cinturão de Fótons emana do Centro Galáctico. Alcione, o Sol Central das Plêiades, localiza-se eternamente dentro do Cinturão de Fótons, ativando sua luz espiralada por todo o Universo.


Mas afinal… e nós nisso tudo?


Nós somos os mais beneficiados com tudo isso. Todos nós, os seres encarnados na Terra, estamos passando por um processo de iniciação coletiva e escolhemos estar aqui nesta difícil época de transição de nosso planeta, que atingirá todo o Universo.


Os fótons funcionam como purificadores da raça humana e através de suas partículas de luz, às quais estamos expostos nos raios solares, dentro em breve estaremos imersos nesta“Era de Luz”, depois de 11 mil anos dentro da Noite Galáctica ou Idade das Trevas, como os hindus se referiam a Kali Yuga. Como um sistema de reciclagem do Universo, o Cinturão de Fótons inicia a Era da Luz. Existem diversas formas da humanidade intensificar sua evolução, desenvolvendo um trabalho de limpeza dos corpos emocionais, com o uso de terapias alternativas, como florais, Reiki, Yoga, Sahaja Maithuna,musicoterapia, cromoterapia entre muitos outros.


São terapias e práticas que trabalham com a cura dos corpos sutis,além de curar outras já instaladas, evitando que muitas doenças sejam desenvolvidas, antes mesmo de alcançar o corpo físico.


Cada partícula vai se alojando em todos os cantinhos de nosso planeta trazendo a consciência (Luz), a Verdade, a Integridade e o Amor Mútuo.


Cada um de nós tem um trabalho individual para desenvolver aliado ao trabalho de conscientização da humanidade. Os corpos que não refinarem suas energias não conseguirão ficar encarnados dentro da terceira dimensão, pois a quarta dimensão estará instalada. E todos nós redescobriremos a nossa multidimensionalidade e ativaremos nossas capacidades adormecidas dentro da Noite Galáctica. A inteligência da Terra será catalizada para toda a Via Láctea.


Todos estes acontecimentos foram registrados no Grande Calendário Maia, que tem 26 mil anos de duração e termina no solstício de inverno, no dia 21 de dezembro de 2012 dC, que marca a entrada definitiva da Terra dentro do Cinturão de Fótons por 2000 anos ininterruptos. Consciência é Luz. Luz é Informação. Informação é Amor. Amor é Criatividade.
  





7.12.12

Para quem precisa, é só por em prática...
colesterol, glicemia, lipídios e triglicerídeos.

Um segredinho revelado. 
Alguns anos atrás, um meu professor me mostrou uma análise de sangue e o que eu vi me deixou impressionado. Os cinco principais parâmetros do sangue,  uréia, colesterol, glicemia, lipídios e triglicerídeos apresentavam valores que em muito excediam os níveis permitidos.
Comentei que a pessoa com aqueles índices já deveria estar morta ou, se estava viva era apenas por teimosia. O professor mostrou o nome do paciente que, até então, tinha sido ocultado pela sua mão. O paciente era ele mesmo!
Fiquei estupefato! E comentei: "Mas como? E o que você fez?".
Com um sorriso ele me apresentou a folha de uma outra análise, dizendo: "Agora, olhe esta, compare os valores dos parâmetros e veja as datas".
Foi o que eu fiz. Os valores dos parâmetros estavam nitidamente dentro das faixas recomendadas, o sangue estava perfeito, impecável, mas a surpresa aumentou quando olhei as datas: a diferença era de apenas um mês (entre as duas análises da mesma pessoa)!
Perguntei: "Como conseguiu isso? Isso é literalmente um milagre!"
Calmamente ele respondeu que o milagre se deveu a seu médico, que lhe sugeriu um tratamento obtido de outro médico amigo. Este tratamento foi utilizado por mim mesmo várias vezes, com impressionantes resultados.
Aproximadamente uma vez por ano faço análise de meu sangue e, se algum dos parâmetros estiver apresentando tendência ao desarranjo, volto  imediatamente a repetir esse processo. Sugiro que você o experimente. 

Aqui está o SEGREDO: Por 4 semanas compre pedaços de abóbora. Não deve ser a abóbora moranga e sim a abóbora grande, que costuma ser usada para fazer doce. Descasque 100 gramas de abóbora, coloque os pedaços no liquidificador, junto com água (SÓ ÁGUA!) e bata bem, fazendo uma vitamina de abóbora com água. 
Tome DIARIAMENTE essa vitamina em jejum, 15 a 20 minutos antes do desjejum (café da manhã). 
Faça isso durante um mês, toda vez que o seu sangue precisar ser corrigido. 
Poderá controlar o resultado fazendo uma análise antes e outra depois do tratamento com a abóbora. De acordo com o médico, não há qualquer contra-indicação, por tratar-se apenas de um vegetal natural e água (não se usa açúcar!).
O professor, excelente engenheiro químico, estudou a abóbora para saber qual ou quais ingredientes ativos ela contém e concluiu, pelo menos parcialmente, que nela está presente um solvente do colesterol de baixo peso molecular: o colesterol mais nocivo e perigoso - LDL . Durante a primeira semana, a urina apresenta grande quantidade de colesterol LDL (de baixo peso molecular), o que se traduz em limpeza das artérias, inclusive as cerebrais, incrementando, assim, a memória da pessoa.
Há apenas um inconveniente: o sabor da abóbora crua não é muito agradável!
Nada mais. 

Porém,
 há um detalhe importante: nem a abóbora, nem a água poderão ir para a geladeira, porque a refrigeração destrói os ingredientes ativos da vitamina.
Esta é a razão de ter que comprar, semanalmente, a abóbora, pois, fora da geladeira, ela se estraga rapidamente.
Referência:
[1] Salvatore de Salvo e Mara Teresa de Salvo, Novos Segredos da Boa Saúde, Editado pela Biblioteca 24x7[
www.biblioteca24x7.com.br ],São Paulo-SP, novembro 2008.
 ABÓBORA... Não faça disso um segredo... DIVULGUE !

 
  
--