Música Celtica

Exercícios Terapêuticos

Exercícios Terapêuticos
O universo está em constante movimento. O movimento significa vida. O movimento de uma espiral de energia vitaliza a célula única que marca o início de nosso tipo de vida humana. À medida que esse tipo de vida evolui, nós nos constituímos em um ser que constantemente troca energia com o cosmo. À medida que esta energia passa através de nós, ela nos alimenta, nos nutri e cria o movimento interno e externo de nossas vidas. Na expressão natural deste intercâmbio encontramos nossa saúde. O intercâmbio de energia é aumentado pelo movimento, e o movimento perfeito do corpo é uma extensão do interior para o exterior enquanto recebe estímulos que movem do exterior para o interior. (Greg Broòshy)

Translate

7.6.09

Respiração Yogui

A filosofia yogui considera o ato respiratório como a principal atividade do Ser vivo. Seria impossível vivermos sem respirar. Embora possamos passar muito tempo sem falar, sem dormir ou sem nos movimentarmos, não suportaríamos, sob pena de morrer, mais que alguns segundos sem respirar.

Aqui se torna indispensável uma explicação complementar. Os pulmões não possuem musculatura própria que lhes permita encher-se e esvaziar-se de ar. São dois sacos inertes, por si mesmo. Quem produz o seu enchimento e esvaziamento é um músculo chamado diafragma. Esse músculo, chato como um disco, separa o tórax do abdômen, e sobre ele o homem pode exercer sua vontade. Isso significa que, embora sendo a respiração um ato inconsciente, é possível torná-lo consciente.
Na infância, o Ser respira com perfeição, abaixando e suspendendo o diafragma normalmente. Com tais movimentos instintivos, ele produz alternadamente depressões e compressões torácicas, o que faz com que os pulmões se encham e esvaziem completamente, em sucessivas operações inconscientes e corretas. Contudo, à proporção que vai ficando adulto e adquirindo posturas e hábitos antinaturais, bem como usando vestuários inadequados, a sua respiração se torna incompleta e defeituosa. E por uma razão simples: para o diafragma baixar completamente, e assim provocar a entrada de ar dos pulmões, é necessário que o ventre seja lançado para fora, pois sendo o abdômen a parte do corpo mais cheia de órgãos, caso o ventre se conserve recolhido, não haverá lugar para o diafragma nele penetrar. Pelas mesmas razões, uma expiração completa só será conseguida com o recolhimento do ventre e suspenção máxima do diafragma.
A maior asneira que poderá existir com referência a respiração, consiste justamente na estulta ordem que nos acostumamos a ouvir, desde a infância, proferida em tom energético por alguns "instrutores" de ginástica:
- Encham os pulmões! Ponham a barriga para dentro! Peito para fora!
Jamais alguém conseguiria encher os pulmões totalmente dessa maneira. Respiração completa só com lançamento e recolhimente do ventre. O objetivo desse exercício é trazer para a zona consciente do Ser a atividade diafragma, além de carregar o sangue de oxigênio, vitalizando o organismo inteiro. O oxigênio não só produz a combustão dos alimentos nas células, como ainda queima as toxinas, gorduras excessivas e detritos deixados no interior dos tecidos pela atividade metabólica orgânica.




Caio Miranda.




Nenhum comentário:

Postar um comentário